Lunar (Moon), filme de estréia do cineasta Duncan Jones (filho do David Bowie) foi lançado em 2009. Pouco falado por aqui, consegui assistir só no final de 2010. E menos de dois meses depois de ver Lunar e virar fã de Duncan, li uma notícia sobre seu próximo filme, seu segundo filme, Source Code (Contra o Tempo por aqui)… É importante deixar claro que apesar de ser filho do grande David Bowie, os holofotes se voltaram pra ele porque Lunar é realmente bom.

Quero dizer, se você gosta de ficção científica, é um filme realmente indispensável. Resumindo, se passa na Lua, numa estação espacial onde Sam (ótima atuação de Sam Rockwell) é o único funcionário de uma empresa que mantém essa base exclusivamente pra exploração de um mineral que se não estou enganado, é muito útil para geração de energia na Terra! Bom, Sam está sozinho la em cima, o único elo com a Terra são as conversas por vídeo com a esposa, que levam um certo tempo pra chegar à base… Ele começa a desconfiar que nem tudo lem sua volta é o que parece! E se eu contar mais estrago o filme… Ah, importante dizer que ele tem companhia, que no maior estilo 2001 e Wall-E, quem controla a estação (e por que não a vida do rapaz?) é um robô (voz do Kevin Spacey). Assista o trailer, mas não se esqueça de assistir ao filme ok!

Ah sim… Estava me esquecendo do Source Code… Bom, se Lunar está na minha lista de ficções científicas favoritas, Source Code está na minha lista de filmes ruins favoritos. E olha que o segundo filme de Duncan Jones tinha um trailer promissor…

Em Source Code, o exercito usa um novo programa pra achar um terrorista que explodiu um trem e pretende atacar outros alvos. Esse programa permite que o capitão Colter Stevens viva os 8 minutos finais da vida de outra pessoa, nesse caso, um passageiro do trem. Como funciona? Pegam massa encefálica de alguma vitima e conectam no programa de alguma forma não muito clara, em seguida pegam alguém “vivo” para reviver a memória da vitima. É como se o Bill Murray de “O Feitiço do Tempo” entrasse na Matrix!

O problema é que o soldado, ao viver a memória de outra pessoa, tem acesso a todo o ambiente, cada detalhe do vagão e do trem, além de ambiente externos. Ou seja, é como se o cara que morreu prestasse atenção em tudo e conhecesse cada centímetro dos lugares por onde passou… Por exemplo, se a vitima não tivesse visto o terrorista, não saberia como ele é, onde se sentou e não faria ideia de qualquer movimento suspeito que ele poderia ter feito. Logo, não adiantaria bosta nenhuma vasculhar os 8 minutos finais do cérebro do cara, porque essa memória não foi criada! Enfim…

Depois de ver Lunar, fiquei ansioso e com a expectativa super alta pelo próximo filme do cara. Levei um balde de água fria aí! O filme é ruim e não consegui me decidir se é por conta da história bastante questionável ou se é pelo roteiro cheio fraco pra uma história interessante.

Como um bom fã de cinema, toda vez que vejo um filme assim (que tinha tudo par dar certo) fico pensando o que poderia ter sido diferente pra resultar num filme legal. A ideia de Source Code é boa, essa coisa Matrix, Inception e eventos que se repetem… O trailer é ótimo, mas fica mesmo parecendo que o roteiro não foi discutido ou revisado, de modo que ninguém tenha notado as muitas falhas! O jeito é esperar e torcer pelo 3º filme do cara, senão alguém vai dizer que Lunar foi sorte de principiante!

Anúncios